(11) 4475 8472

Horário Comercial

Design Thinking no RH: veja como aplicar e melhorar sua gestão

Apponte-me-blog-design-thinking-no-rh-veja-como-aplicar-e-melhorar-sua-gestao

Faaaala galera, beleza? 

Você é profissional de RH e está buscando formas de melhorar sua gestão e conseguir o melhor dos colaboradores?

Hoje vamos tratar de uma abordagem que vai ajudar você nessa tarefa: o Design Thinking!

A aplicação do design thinking no RH vem ganhando espaço nas organizações e contribuindo para provocar modificações profundas na gestão de recursos humanos. Utilizado inicialmente no desenvolvimento de produtos, serviços e modelos de negócio, hoje o design thinking pode ser aplicado a todos os setores de uma empresa.

Segundo levantamento da KPMG, uma das líderes globais em prestação de serviços de auditoria e assessoria, realizado em 2019, 49% dos líderes de RH do mundo já aplicam o design thinking em suas rotinas na gestão de recursos humanos.

 

Vale ressaltar que a capacidade de inovação é um dos fatores mais importantes para empresas que desejam a manutenção da relevância e competitividade no mercado. Assim, o design thinking é uma ferramenta poderosa e aliada de seus resultados. Quem quer ir mais longe, precisa “pensar como um designer”.

Quer entender melhor como aplicar o design thinking no RH pode contribuir com a sua gestão e como começar a aplicá-lo? 

Então continue lendo!

 

O que é design thinking?

 

O design thinking é uma abordagem, originada no design e adaptada aos negócios, que tem como base criar inovações e gerar ideias a partir do maior número de perspectivas possíveis, para desenvolver soluções de problemas colocando as pessoas no centro. 

É um processo criativo e colaborativo que permite traçar uma solução mais completa para problemas.

Embora o design thinking tenha ganhado maior espaço nas empresas nos últimos anos, a metodologia é antiga, tendo origem na importante Escola de Design Bauhaus, em 1919. A partir da década de 1970, surgem publicações que começam a tratar da abordagem nas organizações. É apenas na década de 1990, porém, que o termo design thinking é cunhado.

Desde então o design thinking é utilizado por algumas das principais companhias do mundo em seus processos criativos e de inovação, tendo seu uso ampliado a quase todas as áreas de um negócio, inclusive o recursos humanos.

Um dos grandes motivos para que a metodologia criativa que utiliza técnicas e modos de pensar dos designers ganhe espaço nas companhias e seja um sucesso é o seu foco na experiência humana. Vale lembrar que nas últimas décadas já acompanhávamos um movimento que tirava o foco de processos, serviços e produtos e colocava nas pessoas.

Um dos principais objetivos do marketing hoje, por exemplo, é oferecer experiências de consumo que satisfaçam e fidelizem os clientes. Isso significa que não basta oferecer produtos de qualidade com valores atraentes, mas garantir que cada etapa da jornada de compra seja incrível, o que só é possível com soluções desenhadas para pessoas.

Segundo Tim Brown, CEO da IDEO, organização responsável pela popularização da metodologia, o design thinking pode ser resumido como:

Uma abordagem de inovação centrada no ser humano que utiliza o kit de ferramentas do design para integrar as necessidades das pessoas, as possibilidades tecnológicas e os requisitos para o sucesso dos negócios

Assim, como podemos perceber, o design thinking utiliza a tecnologia e recursos disponíveis para criar produtos, serviços, processos, estratégias e soluções com o objetivo de melhorar a experiência humana.

E é por ter a capacidade de entender e melhorar a experiência humana que ele é uma ferramenta muito útil para o RH. 

 

O design thinking no RH 

 

Uma vez que o design thinking busca aprimorar a experiência humana, nada mais lógico que seja aplicado também à gestão de recursos humanos. Reter e desenvolver talentos são alguns dos maiores desafios da área na atualidade.

A ascensão das gerações Y e Z ao mercado de trabalho vêm exigindo das organizações novas práticas para tornar o trabalho atrativo desses novos profissionais, bem como para extrair o máximo potencial desses.

As empresas e práticas de gestão não podem, e nem devem, ser imutáveis. É preciso que elas estejam alinhadas há seu tempo, caso contrário, correm o risco de serem atropeladas pela concorrência e tornarem-se irrelevantes. Nesse contexto, a inovação emerge como valor fundamental. E inovação nada mais é do que gerar valor – para o cliente, empresa, colaboradores e pessoas. 

O repensar das práticas e processos do RH, aplicando mudanças que aprimorem a jornada dos colaboradores junto à organização, tem no design thinking uma poderosa ferramenta. A metodologia colaborativa, criativa e centrada em pessoas apresenta resultados positivos nesse sentido. Ela permite ouvir os problemas reais, encontrar soluções efetivas e engajar pessoas no processo de mudança.

Para você também fazer parte desse grupo e utilizar a metodologia visando repensar a sua gestão de recursos humanos, confira abaixo as etapas para aplicar o design thinking no RH.

 

Etapas do design thinking no RH 

 

Empatia e Imersão: 

 

Antes de tudo é fundamental que o líder de RH conheça e entenda o contexto do problema a partir do olhar do público que é atingido pelo mesmo. Assim, a empatia surge como valor fundamental no design thinking.

Analisar um problema por diferentes pontos, compreendendo as necessidades das pessoas, contribui no desenvolvimento de soluções assertivas que possibilitem promover o bem estar e a qualidade de vida no trabalho, sem perder de vista a estratégia do negócio.

Tenha uma sala da criatividade, ou espaços onde os colaboradores da empresa possam se expressar livremente, em sua diversidade, e estimule isso.

 

Análise:

 

Após entender quais são os problemas é momento de levantar dados e informações que permitam analisar o quadro com maior assertividade. É importante que a análise seja feita a partir de indicadores que estejam relacionados com aquilo que se pretende resolver.

Mergulhe em pesquisas e benchmarking, procurando identificar pontos fortes e aqueles em que é possível aplicar melhorias.

 

Ideação:

 

Essa é a etapa do brainstorming e deve contar com a colaboração dos envolvidos no levantamento de possíveis soluções para o problema apresentado. É importante o envolvimento de todos, bem como proporcionar abertura para a discussão de ideias.

As melhores sugestões são separadas para serem colocadas em prática, sendo necessário idealizar ações que permitam a concretude das mesmas. O envolvimento de gestores, líderes e equipes para que haja engajamento nas mudanças em vistas e assim evitar que todo o trabalho seja inócuo.

 

Prototipar: 

 

Após entender o problema, analisar e idear, é momento de materializar a solução, ou seja, colocar as ideias em prática para ver como as pessoas reagem a elas e seus efeitos na solução do problema alvo.

O protótipo permite realizar testes e assim poder decidir se a solução atende as necessidades e expectativas ou se faz necessário voltar a etapa de ideação procurando outras saídas possíveis.

 

Testar:

 

Na etapa de teste o feedback é fundamental. Não fique preso apenas em análises de números e processos. Lembre-se que o design thinking coloca as pessoas no centro, sendo fundamental que o profissional de RH escute aqueles que utilizam a solução proposta no seu dia a dia.

Esse é um processo colaborativo. Não à toa, a metodologia é apontada como essencial para as organizações do futuro, uma vez que as empresas tendem a ser mais horizontalizadas.

 

A tecnologia como aliada da melhora no RH

 

Como uma prática que impulsiona a inovação, o design thinking no RH não poderia deixar de utilizar a tecnologia em seu favor. 

Seja para identificação de problemas, realização de análises ou mesmo como possível solução a um problema, a tecnologia te proporciona ferramentas que permitem alcançar melhores e mais precisos resultados no processo.

O controle de ponto, por exemplo, é um processo que colhe inúmeros benefícios da aplicação de soluções tecnológicas. O controle manual, ainda hoje utilizado por inúmeras empresas, prejudica a produtividade do RH, assim como é suscetível a fraudes. 

O Relógio de Ponto Digital da Aponte.me é uma solução inovadora que proporciona uma gestão mais eficiente e segura do controle de ponto. O ponto é registrado via celular, impedindo que fraudes aconteçam e toda gestão é realizada através de app com design intuitivo e soluções que permitem atender os principais desafios na rotina de RH relacionadas ao controle da entrada e saída de funcionários.

A gestão de RH de sua empresa pode ser mais que um departamento burocrático, atuando de forma estratégica e inovadora para alcançar um ambiente de trabalho produtivo, motivado, engajado e propício para o desenvolvimento e retenção de talentos.

Clique aqui para saber mais sobre o relógio de ponto digital da Apponte.me e ver como ele pode revolucionar o RH!

Quer mais dicas para aprimorar a gestão e produtividade de sua empresa? Siga a Apponte.me nas redes sociais e continue acompanhando nosso blog!

Facebook

Instagram

Youtube

Até a próxima!

Publicado por Apponte.me

Arrow-up